Dicas úteis

Não é benéfico, mas prejudicial: por que não se pode dar mel às crianças?

181views

Todos nós já ouvimos falar do incrível, mas poucos sabem que este produto pode ser mortal para as crianças.

A pediatra e hematologista Valerija Martynova, que não se deve dar mel puro às crianças, mas sim adicionar algumas gotas às bebidas, e que não devem comer mel até os dois anos de idade.

Por que crianças menores de 2 anos não podem comer mel?

Isto ocorre por dois motivos principais:

  • Risco de botulismo em bebês: o mel pode conter bactérias que não causam doenças em adultos devido ao desenvolvimento de funções imunológicas. A imunidade das crianças menores aos microrganismos produtores da toxina botulínica não está suficientemente desenvolvida, por isso não é adequada para elas.
  • Risco de alergia: O mel também pode causar uma reação alérgica grave. Os sintomas da alergia ao mel geralmente aparecem na pele, coceira e erupções cutâneas. O mel de trigo sarraceno é considerado mais alergênico, enquanto o mel de acácia é considerado o mais seguro para consumo.

Com que idade uma criança pode receber mel?

O mel não deve ser consumido na sua forma pura, mas sim após adicionar algumas gotas às bebidas, por exemplo, água ou compota. Ao conhecer o mel pela primeira vez, é melhor usar mel de acácia porque é menos alergênico.

Depois de oferecer uma bebida com mel a uma criança, é importante observar a reação do organismo. Se não houver sintomas negativos, pode-se aumentar gradativamente a quantidade do produto. Você pode continuar adicionando mel a outros alimentos, como mingaus, iogurte ou kefir.

Para crianças pequenas, a dose não deve ultrapassar uma colher de sopa de mel. Duas colheres de sopa de mel por dia são suficientes para crianças do ensino fundamental e médio.

Este material é apenas para informação geral e não deve ser usado como base para diagnóstico ou aconselhamento médico. As publicações neste site são baseadas nas pesquisas médicas mais recentes, relevantes e cientificamente sólidas. (com links para estudos ou artigos específicos). No entanto, se necessitar de um diagnóstico ou aconselhamento médico, consulte o seu médico de família ou especialista.

Leave a Response